Concurso de Porto Feliz (Diretor de Escola)

 

Esse Plano de Estudo Pronto se refere ao Concurso para Diretor de Escola da cidade de Porto Feliz e foi organizado a partir da bibliografia referencial presente no edital de abertura do concurso público e também dos conhecimentos mais básicos exigidos na maioria dos concursos. Ao fazer sua assinatura da AFES, você terá acesso a todo esse conteúdo em vídeo e centenas de outros vídeos para se preparar adequadamente para este concurso público!

Plugin Video Speed Controler

Acelere a visualização dos vídeos com um plugin acelerador. Encontre um compatível com seu navegador aqui.

 

 

Tutorial 1 - Como alterar minha senha de acesso a AFES.

Tutorial 2 - Como baixar um Texto ou Slide para o meu computador.

Tutorial 3 - Como baixar o conteúdo de um Prezi para o meu computador.

Tutorial 4 - Como apagar os cookies de seu computador

 1. Apresentação do Método.

MÓDULO 1 - OS 5 VILÕES QUE VOCÊ PRECISA DERROTAR PARA SER APROVADO NESTE CONCURSO PÚBLICO

 1º. Vilão a ser derrotado - Freddy Krueger.

 2º. Vilão a ser derrotado - O Vingador.

 3º. Vilão a ser derrotado - Darth Vader.

 4º. Vilão a ser derrotado - O Coringa.

 5º. Vilão a ser derrotado - A Bruxa da Branca de Neve.

MÓDULO 2 - PREPARAÇÃO DO TERRENO PARA A CONSTRUÇÃO DOS PILARES

 1. Como preparar o terreno para a construção dos pilares.

MÓDULO 3 - O 1. PILAR - A TÉCNICA “POMODORO”. (1ª ETAPA)

 Como aplicar a Técnica Pomodoro.

MÓDULO 4 - O 2. PILAR - O ESTUDO DE CICLOS. (2ª ETAPA)

 Como organizar um estudo de ciclos.

MÓDULO 5 - O 3. PILAR - TÉCNICA DA ASSIMILAÇÃO.

 Como aplicar a Técnica da Assimilação nos meus estudos.

MÓDULO 6 - O 4. PILAR - ELABORAÇÃO DE BRAINSTORMING.

 Como elaborar Brainstorming para os meus estudos.

MÓDULO 7 - O 5. PILAR - IDENTIFICAÇÃO DOS DISTRATORES.

 Aprendendo as 16 técnicas de identificação dos distratores.

MÓDULO 8 - ESTRATÉGIAS PARA O DIA DA PROVA

 Conheça as principais estratégias a serem utilizadas no dia da prova.

 BRASIL. Constituição Federal/88 – artigos 205 a 214 e artigo 60 das Disposições Constitucionais Transitórias. Emenda 14/96.

 BRASIL. Lei Federal nº 9394, de 20/12/96 – Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional (atualizada).

 BRASIL. Lei Federal nº 8.069/1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente (atualizada): artigos 7º a 24, 53 a 69, 131 a 140.

1ª Parte:

2ª Parte:

 BRASIL. Resolução CNE/CEB 04/2010 – Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: CNE, 2010.

 BRASIL. Resolução CNE/CEB 07/2010 – Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Brasília: CNE, 2010.

 
 AQUINO, Julio Groppa (Org). Indisciplina na Escola: Alternativas Teóricas e Práticas (Summus, 1996).

 FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed., São Paulo: Paz e Terra, 2011.

 LA TAILLE, Yves.DANTAS, Heloisa e OLIVEIRA, Marta Kohl de, Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. 24. ed., SãoPaulo: Summus, 1992.

 LIBÂNEO, J.C. Didática. São Paulo: Cortez, 2013, capítulos 2,7 e 9.

 LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar, 22. ed., São Paulo: Cortez Editora, 2011.

 SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Bullying. Brasília: Conselho Nacional de Justiça, 2010.

 HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora: uma relação dialógica na construção do conhecimento In: SE/SP/FDE. Revista IDEIAS nº 22, pág. 51 a 59.

 LERNER, Delia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. 1ª Edição – Porto Alegre, Artmed, 2002.

 PIAGET, Jean. Desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Paulo Francisco Slomp. UFRGS- PEAD 2009/1.

 PIMENTA, Selma, G.A. A Construção do Projeto Pedagógico na Escola de 1º Grau. Ideias nº 8. 1.990, p 17-24.

 1.LÜCK, Heloisa. Concepções e processos democráticos de gestão educacional. Editora Vozes. Petrópolis. 2006.

 BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução. Brasília: MEC/SEF, 2ª ed. (1ª a 4ª série), Rio de Janeiro: DP&A, 2000. Volume 1 (Itens: Princípios e Fundamentos dos Parâmetros Curriculares Nacionais e Orientação Didática).

 BRASIL. Resolução CNE/CEB 4/2009 – Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: CNE, 2009.

 BRASIL. Lei Federal nº13.005/2014 – Plano Nacional de Educação.

 BRASIL. Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília, 2007.

 LIBÂNEO, J.C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2003.

 LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 6. Ed. São Paulo: Heccus, 2013.

 MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. rev. e atual. Campinas: Papirus, 2013.

 OLIVEIRA, Dalila Andrade (Org.). Gestão democrática da educação: desafios contemporâneos. 10. ed., Petrópolis: Vozes, 2013.

 TEIXEIRA, Anísio. A escola pública universal e gratuita. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. 26, n. 64, p. 3-27, out./dez. 1956.

 VEIGA, I. P. A. (org.). Projeto político-pedagógico da escola – uma construção possível. 2.ª ed. Campinas: Papirus, 1996.

 Psicologia da aprendizagem.

 Plano de Curso e Plano de Aula.

 Pedagogia de Projetos.

 Projeto Político-Pedagógico: construção e implementação.

 A interdisciplinaridade e a transdisciplinaridade no processo ensino-aprendizagem.

 Metodologias, estratégias de ensino, recursos didáticos e intervenções pedagógicas.

 Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN’s.

 Avaliações Externas e o IDEB

 Os desafios da educação especial na perspectiva da inclusão escolar.

 Dificuldades e distúrbios de aprendizagem.

 O uso das novas tecnologias como ferramentas educacionais para a melhoria da qualidade de ensino.

 Significação do conhecimento na Educação de Jovens e Adultos.

 A Educação em Tempo Integral, a diversidade cultural e a mediação do professor.

 Qualidade no atendimento ao público, em especial aos pais e à comunidade escolar.

 Ética e relacionamento interpessoal.

 MÓDULO 1 - Acento, pra que te quero?

Regras de Acentuação Gráfica (Parte 1).

Regras especiais de acentuação gráfica (parte 2).

 MÓDULO 2 - As palavras e seus significados.

Sinonímia/Antonímia; Hiponímia/Hiperonímia; Homonímia (parte 1).

Paronímia; Polissemia; Denotação/Conotação (parte 2).

 MÓDULO 3 - Morfologia: a família!

Substantivos - Classificação (parte 1)

Gênero dos substantivos (parte 2)

Plural dos substantivos simples e compostos (parte 3)

Grau dos substantivos (parte 4)

Adjetivos - Definição; Classificação; Locução adjetiva (parte 5)

Flexão dos adjetivos - Gênero; Número; Grau (parte 6)

Artigo; Numeral (parte 7)

Pronome (parte 8)

Pronomes pessoais (parte 9)

Pronome oblíquo; Pronome oblíquo átono (parte 10)

Pronome oblíquo tônico (parte 11)

Pronome reflexivo (parte 12)

Segunda pessoa indireta; Pronome de tratamento (parte 13)

Pronomes possessivos (parte 14)

Pronomes demonstrativos (parte 15)

Pronomes indefinidos (parte 16)

Pronomes Relativos (parte 17)

Pronomes Interrogativos (parte 18)

Verbos (parte 19)

Verbos (parte 20)

Vozes dos Verbos (parte 21)

Advérbios (parte 22)

Preposições (parte 23)

Conjunções (parte 24)

Interjeições (parte 25)

 MÓDULO 4 - Onde fica o pronome?

Colocação pronominal.

 MÓDULO 5 - Concordar é viver em paz uns com os outros!

Concordância nominal (Parte 1)

Concordância nominal (Parte 2)

Concordância verbal (Parte 1)

Concordância verbal (Parte 2)

Concordância verbal (Parte 3)

 

 MÓDULO 6 - A relação de amor entre regentes e regidos.

Regência Nominal.


Regência Verbal.

 MÓDULO 7 - Vamos a ela, à famosa...

Crase (Parte 1)

Crase (Parte 2)

]

Crase (Parte 3)

Crase (Parte 4)

Crase (Parte 5)

 MÓDULO 8 - Pontuar é preciso.

Pontuação.

 MÓDULO 9 - Nossa língua inculta e bela!

Ortografia oficial.(Parte 1)


Novo acordo ortográfico.(Parte 2)

 MÓDULO 10 - Indispensável: compreenda e interprete.

Compreensão e interpretação de textos.